BelaVistaMS
Política

12/06/2017 - 14h35

Política

Assomasul vê excessos em autuações e multas do TCE-MS e defende flexibilização

Willams Araújo

A maior queixa dos gestores é com o que classificam de 'excessos' de autuações e multas vindas da Corte Fiscal

Os prefeitos deram início a uma ofensiva na tentativa de convencer os conselheiros do TCE-MS (Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul) a mudarem algumas de suas decisões que, segundo eles, acabam engessando a administração pública.

A maior queixa dos gestores é com o que classificam de ‘excessos’ de autuações e multas vindas da Corte Fiscal, mesmo diante das dificuldades que eles vêm tendo no início de seus mandatos.

O presidente da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), Pedro Caravina, diz ter sido procurado por vários prefeitos reclamando de punições exageradas por conta de pequenas falhas cometidas por servidores de gestões anteriores e que sequer trabalham mais nas prefeituras.

“Os prefeitos estão praticamente no começo de seus mandatos e têm dificuldade em administrar seus municípios por conta de algumas resoluções do Tribunal de Contas. É preciso bom senso”, pondera Caravina, ao sugerir a flexibilização de algumas medidas punitivas.

Segundo ele, são muitas reclamações contra o sistema de fiscalização do Tribunal de Contas do Estado.

Na prática, o que intriga os prefeitos são os “excessos formalistas” e multas por pequenos erros meramente burocráticos.

Ainda de acordo com Caravina, além dos sérios problemas de ordem financeira, os municípios também estão sendo pressionados de alguma forma pelo TCE.

Na avaliação do dirigente municipalista, é importante realizar gestões “sem sustos”, sobretudo, com uma boa relação institucional com os outros órgãos da administração pública e, por meio de parcerias, que resultem em benefícios à população.

Embora reconheça as atribuições legais do TCE-MS, o presidente da Assomasul adianta que irá reivindicar a flexibilização de medidas tomadas pelos conselheiros por meio de resoluções da Corte, como forma de amenizar eventuais problemas burocráticos nas prefeituras.

PROTOCOLO

Na tarde desta quinta-feira (8), Caravina esteve com o presidente do TCE-MS, conselheiro Waldir Neves, com quem tratou dessa e outras questões de interesse dos municípios.
Na oportunidade, o presidente da Assomasul protocolizou um documento contendo uma série de ponderações.

Durante o encontro, do qual participou o Procurador Geral do Tribunal, conselheiro Iran Coelho das Neves, Caravina pediu um prazo de tolerância para aplicação de multas em caso descumprimento a Resolução Normativa Nº 54/2016, que dispõe sobre o manual de remessa de informações, dados, documentos e demonstrativos.

O artigo 4º da Resolução, por exemplo, diz que “a remessa física que não atender o disposto na legislação do Tribunal será devolvida à origem, pelo serviço de protocolo, através de ofício devidamente motivado, e, considerada inexistente para os fins legais”.

O pedido da Assomasul é que em caso de devolução dos documentos o serviço de protocolo considere a data da primeira remessa quando o gestor reenviar os dados a Corte Fiscal, para fins de contagem de prazo.
Uma das maiores reclamações dos prefeitos, segundo Caravina, é que o serviço de protocolo tem recusado documentos sem que o mérito de seu conteúdo seja analisado pelos conselheiros.

“Inicialmente tem-se que a recusa realizada pelo Setor de Protocolo está sendo imotivada e informal, isto é, não há documento, certidão ou ofício devidamente motivado recusando o recebimento dos documentos. Há somente uma informação do servidor no sentido de que os documentos não serão recebidos”, diz trecho do documento entregue a Waldir Neves.

Ainda segundo o texto, o TCE-MS não deve delegar a competência de análise dos documentos juntados pelos municípios ao Setor de Protocolo, “pois rejeitar ou aceitar documentos apresentados pelos jurisdicionados é matéria de mérito do processo, devendo tão somente as inspetorias e aos nobres conselheiros analisarem eventual irregularidade na apresentação, concedendo prazo para regularização”.






Comentários Comente a notícia


Leia maisMais notícias

TSE recua e decide reduzir de 26 para 11 número de extinções de zonas eleitorais

Com o recuo do TSE, as zonas eleitorais extintas serão Porto Murtinho, Pedro Gomes, Rio Negro, Deodápolis, Inocência, Nioaque

Na primeira reunião CPI aprova requerimento que solicita TAREs e notas fiscais à Sefaz

À JBS a CPI solicitou cópias dos termos de concessão de benefícios fiscais firmados com o governo do Estado

MS mantém saldo positivo de 4 mil empregos gerados de janeiro a maio de 2017

O saldo positivo no acumulado do ano no Estado, no entanto, volta a sofrer o impacto da crise econômica do país

Costa Rica: vereadores se reúnem com o prefeito Waldeli e discutem recepção do governador de MS

O prefeito Waldeli foi quem solicitou ao presidente da Câmara, Lucas Lázaro Gerolomo, a realização de uma reunião com todos os 11 vereadores.

Governo assume compromisso de redução do ICMS do boi em pé de 12% para 7% durante 90 dias

Para tomar a decisão de diminuir momentaneamente a alíquota do ICMS das exportações de gado em pé

Contratos de aquisição de terras são entregues a 58 famílias no MS

A fazenda foi adquirida por 29 famílias de agricultores familiares da Associação Novo Modelo I

Mesa diretora da Câmara foca na capacitação de servidores

Através de curso para habilitação no sistema E-Protocolo

Caravina considera discrepante critério de extinção de zonas eleitorais em MS

O presidente da Assomasul alega que haverá acúmulo de demandas nas zonas

Vereadores convidam secretário de Administração e Finanças para avaliação dos trabalhos da prefeitura no município

A primeira dúvida foi em relação ao transporte escolar no que diz respeito ao cálculo





contato@belavistams.com.br
© 2011 - João Carlos Velasquez - Todos os direitos reservados

Webmail | Desenvolvido por JPWeb